Notícias

Rede Metropolitana de Natal será inaugurada amanhã (25)

Giganatal é a primeira rede metropolitana de educação e pesquisa da região NE

[RNP, 24.04.2008]


    Uma iniciativa que conecta via internet instituições de ensino superior e de pesquisa irá agilizar o processo de desenvolvimento científico em Natal (RN). No dia 25 de abril, será inaugurada a Rede Metropolitana de Natal (Giganatal), infra-estrutura de fibras ópticas que permitirá a troca rápida de dados entre os principais centros de ensino e pesquisa do país.

    A inauguração da rede, que acontece às 9 horas no Auditório da Biblioteca Central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), será transmitida ao vivo a partir do endereço http://www.pop-rn.rnp.br/video/. Estarão presentes ao evento o Ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, e o reitor da UFRN, José Ivonildo do Rêgo.

    Com 47 km de extensão, a rede de Natal foi implantada pela RNP com cerca de R$ 870 mil de investimentos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A Giganatal vai facilitar e ampliar a integração entre universidades e unidades de pesquisa. Instituições que participam da rede terão acesso mútuo à produção científica, podendo inclusive compartilhar projetos de educação a distância e interagir por meio de videoconferência. A rede de Natal promoverá, por exemplo, o avanço de iniciativas na área de tecnologia do petróleo, que contam com apoio do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), da Finep e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

    A Giganatal propiciará também o desenvolvimento de projetos nas áreas da Geologia, como Geoprocessamento, Geofísica e Geomática, desenvolvidos pela UFRN, pelo Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET-RN), pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE-CRN) e pela Base Naval de Natal, com participação de demais instituições brasileiras e internacionais. Um dos objetivos do Departamento de Geologia da UFRN é tratar e disponibilizar para a comunidade acadêmica os dados recebidos via satélite, através de antena localizada na Base Naval de Natal.

    Outro projeto beneficiado pela rede é o PIRATA (Pilot Research Moored Array in the Tropical Atlantic) do INPE, cujo objetivo é criar uma base de dados para estudar os principais modos de variabilidade climática sobre o Atlântico e continentes circunjacentes. A iniciativa conta com a parceria de organizações nacionais, além do National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), nos EUA, e o Institute de Recherche pour le Developpement (IRD), na França.

    Participam da Giganatal a UFRN, o CEFET-RN, o INPE-CRN, a Universidade Potiguar (UnP), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/Centro de Tecnologia do Gás - CTGás), a Faculdade de Natal (FAL), a Faculdade Natalense para o Desenvolvimento do Rio Grande do Norte (FARN) e a Base Naval de Natal.

    Redes semelhantes à de Natal já estão em operação em Belém, Manaus, Vitória, Florianópolis e no Distrito Federal. Até o fim de 2008, serão 27 redes ópticas metropolitanas em todo o país.




    Juliana Berriel
    RNP
    24.04.2008